sábado, 31 de dezembro de 2011

DEUS ABENÇOE A TODOS E QUE EM 2012 A PALAVRA DE DEUS SE CUMPRA NAS VOSSAS VIDAS!


Deus abençoe a todos que estiveram conosco no ano de 2011, espero que Deus possa nos dar força, saúde e ânimo para continuar postando obras, e conteúdo bíblico para que em tudo, todos possam ser edificados e o nome de Deus glorificado em todo lugar. Abração fraterno do teu irmão em Cristo, Marschall Neri.


A paz de Deus.

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

COMO ENTENDER ROMANOS CAP. 9:

ROMANOS CAP. 9

Para se entender Romanos Cap 9 temos fazer algumas considerações, pois a perspectiva do ensino de Paulo neste capitulo não é Deus limitando o escopo da eleição a uns poucos escolhidos, e aqueles que não foram escolhidos não poderia reclamar se Deus em sua soberania os despreza. Não é esse o intento de Paulo ao escrever a igreja cristã em Roma, constituída de judeus e gentios.

 Anteriormente em sua carta Paulo aborda a questão de qual vantagem há para a identidade judaica se alguém deixa de cumprir as exigências da lei (2.17-3.21). Ele diz que embora ser judeu traz grandes vantagens por ser os receptores dos oráculos revelatórios de Deus, todavia ser judeu não dá nenhum direito automático à salvação. Ao invés disso, Paulo faz a radical e chocante afirmação que “não é judeu quem o é apenas exteriormente, nem é circuncisão a que é meramente exterior e física. Não! Judeu é quem o é interiormente, e circuncisão é a operada no coração, pelo Espírito, e não pela lei escrita” (2.28-29).

Paulo defendia que “ninguém será declarado justo diante dele baseando-se na obediência à lei” (3.20); antes, “sustentamos que o homem é justificado pela fé, independente da obediência à lei” (3.28). Isto inclui tanto gentios quanto judeus. “Deus é Deus apenas dos judeus? Ele não é também o Deus dos gentios? Sim, dos gentios também, visto que existe um só Deus” (3.29-30).

Você consegue perceber o que isso significava aos judeus contemporâneos de Paulo? “Cães” gentios que têm fé em Cristo podem de fato ser mais judeus do que os judeus étnicos e entrar no Reino enquanto o povo escolhido de Deus é deixado de fora! Isto seria impensável e escandaloso!

Paulo prossegue para apoiar sua opinião apelando ao exemplo de ninguém menos que Abraão, o pai da nação judaica. Abraão, Paulo explica, foi declarado justo por Deus antes de receber a circuncisão. “Portanto,” diz Paulo, “ele é o pai de todos os que crêem, sem terem sido circuncidados [isto é, os gentios], a fim de que a justiça fosse creditada também a eles; e é igualmente o pai dos circuncisos que não somente são circuncisos [observe a qualificação!], mas também andam nos passos da fé que teve nosso pai Abraão antes de passar pela circuncisão” (4.11-12).

Este é um ensino explosivo. Paulo começa o capítulo 9 expressando sua profunda dor porque os judeus étnicos estavam deixando de alcançar a salvação de Deus ao rejeitar o Messias [= Cristo]. Mas ele diz que não é como se a palavra de Deus tenha falhado. Antes, como vimos, “nem todos os de Israel são, de fato, israelitas; nem por serem descendentes de Abraão são todos seus filhos” (9.6-7). Ser etnicamente judeu não é suficiente; antes, deve-se ser filho da promessa – e isso, como vimos, pode incluir gentios e excluir judeus.

A problemática, então, com a qual Paulo está lutando é como o povo eleito de Deus, os judeus, pôde deixar de obter a promessa de salvação enquanto os gentios, que eram considerados pelos judeus como impuros e abomináveis, puderam, ao invés, encontrar salvação. A resposta de Paulo é que Deus é soberano. Ele pode salvar quem ele quiser, e ninguém pode objetá-lo. Ele tem liberdade para ter misericórdia de quem quer, até mesmo dos execráveis gentios, e ninguém pode reclamar de que Deus está sendo injusto.

Então – este é o ponto crucial – quem é que Deus escolheu salvar? A resposta é: aqueles que têm fé em Cristo Jesus. Como Paulo escreve em Gálatas (que é uma espécie de Romanos abreviado), “Sabei, pois, que os da fé é que são filhos de Abraão” (Gl 3.7). Judeu ou gentio, isto não importa. Deus soberanamente escolheu salvar todos aqueles que confiam em Cristo Jesus para salvação.

É por isso que Paulo pode continuar em Romanos 10 e dizer, “Pois não há distinção entre judeu e grego, uma vez que o mesmo é o Senhor de todos, rico para com todos os que o invocam. Porque: Todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo” (10.12-13). A teologia reformada não consegue fazer nenhum sentido deste maravilhoso e universal chamado à salvação. Quem quiser pode vir.

A tarefa de Paulo, então, em Romanos 9 não é limitar o escopo da eleição de Deus mas ampliá-la. Ele quer incluir todos que têm fé em Cristo Jesus apesar de sua classificação étnica. A eleição, então, é antes de tudo uma ideia corporativa: Deus escolheu um povo para si mesmo, uma entidade corporativa, e cabe a nós por nossa resposta de fé se ou não escolhemos ser membros desse grupo corporativo destinado à salvação.

Dentro deste contexto, chegamos a conclusão que os exemplos citados por Paulo em Romanos 9, estão sendo interpretados fora do contexto, o que leva ao fatalismo, e tira todo o significado da graça de Deus.

“Não que a palavra de Deus haja faltado, porque nem todos os que são de Israel são israelitas; nem por serem descendência de Abraão são todos filhos; mas: Em Isaque será chamada a tua descendência”. (Romanos 9:6-7)
Sabemos que Abraão não podia gerar filhos por ser Sara sua mulher (esposa) estério, no qual Deus lhe fez uma promessa PELA FÉ, que nele seria bendita todas as nações da terra através da sua descendência, isto é; Cristo Jesus. – MAS isto PELA FÉ.
Ismael também é filho de Abraão, mas este foi gerado de Agar, que era ESCRAVA, pois Abraão “quis ajudar Deus” a cumprir a sua promessa, o que por alegoria entendemos que por meio de obras (justiça própria) Ismael foi gerado, e por obras ninguém será justificado diante de Deus, Agar representa a Lei do monte Sinai e todos os que estão debaixo da Lei é gerado da escrava. (conf. Gal. 3 e 4:22-31) - E ninguém será justificado pelas obras da lei, mas o justo viverá da fé.
Por isso Paulo dizia que nem todos os que são de Israel são israelitas, nem por serem descendência de Abraão são todos filhos, MAS O QUE SERIA GERADO PELA FÉ EM DEUS, no caso Isaque, cuja linhagem saiu o SALVADOR do mundo, JESUS CRISTO.
Tanto que Abraão foi repreendido por tentar “ajudar” Deus (Gên 17:1), pois o Senhor já havia determinado, elegido que os que fossem da fé, da qual nasceu Isaque, seriam a povo de Deus, o verdadeiro Israel, e não os de etnia, os gerado pela vontade da carne, pelas obras, mas os da FÉ.
Portanto depois disso tudo Abraão foi posto a prova (Gên 22) para que fosse o pai da fé, isto é; dos que fossem gerado pela fé, que somos nós os que cremos. Deste modo, a promessa de Deus não havia falhado como pensavam os judeus que confiavam serem povo de Deus confiando em sua etnia.

O que temos que entender é que Paulo distinguiu dois tipos de Israel e dois tipos de escolha. Deus escolheu o Israel físico e histórico, ao escolher Abraão e seus descendentes (a “eleição” mencionado no versículo 11). Deus escolheu a nação histórica de Israel pela qual Ele cumpriu muitos dos propósitos, incluindo o estabelecimento das Escrituras (v.4 e 3:2) e a linhagem do MESSIAS (v.5). Mas nem todo o Israel eleito e étnico constitui o Israel eleito e espiritual (salvo)(v.8), o qual foi explicado anteriormente.
Paulo distinguiu dois tipos de eleição: 1º) a eleição da nação de Israel para realizar certas tarefas (o mesmo motivo pelo qual Deus escolheu indivíduos – os patriarcas e Faraó (v.17), e;
2º) a eleição para a salvação. Para pertencer a este ultimo grupo (isto é; alcançar justiça) é necessário CRER em Cristo (vv. 30-33; relembrando o que constitui o VERDADEIRO judeu em 2:28,29)

“E não somente esta, mas também Rebeca, quando concebeu de um, de Isaque, nosso pai; porque, não tendo eles ainda nascido, nem tendo feito bem ou mal (para que o propósito de Deus, segundo a eleição, ficasse firme, não por causa das obras, mas por aquele que chama), Foi-lhe dito a ela: O maior servirá o menor. Como está escrito: Amei a Jacó, e odiei a Esaú”. (Romanos 9:10-13)
Aqui Paulo apenas está complementando o assunto anterior, isto é; dar seqüência no ensino da eleição da parte de Deus, eleição esta que é pela FÉ para o verdadeiro Israel, são os que são gerados pela fé (os que crêem). E como havia gêmeos no ventre de Rebeca, Deus optou em escolher Jacó que era o menor, para dele sair tanto a linhagem física e histórica, como também a linhagem eleita e espiritual. Neste sentido Esaú foi rejeitado, pois a palavra traduzida por “odiar” (v.13) não deve ser interpretada como na nossa cultura.
A escolha de Jacó, e não de Esaú, reflete a escolha de Deus para que a nação de Israel viesse dos descendentes de Jacó (Que são israelitas, dos quais é a adoção de filhos, e a glória, e as alianças, e a lei, e o culto, e as promessas; dos quais são os pais, e dos quais é Cristo segundo a carne), e não de Esaú. Ao dizer que Deus “aborreceu” Esaú, Paulo não sugere que Deus o havia excluído da salvação.
Tanto que Deus, dando continuidade no Seu propósito, vemos que o Senhor escolheu para a linhagem do Messias a tribo de Judá, dentre os 12 filhos de Jacó (não a mais nobre, em personagem). Em lugar dos descendentes de José (um verdadeiro crente); neste sentido Deus “aborreceu” José, mas “amou” Judá.

Neste contexto Deus executa o seu plano redentor e graciosos da maneira como desejar. Os judeus étnicos (e nós) não podiam/pode exigir nada de Deus, pois todos somos dignos de condenação, mas Deus demonstra o seu amor de tal maneira que nos deu uma oportunidade de nos remir, mas isto somente pela fé em Cristo.
Assim, em nível nacional o Senhor decidiu de modo soberano, elegeu Israel para ser “Seu povo”, pois dentre as nações da terra, precisava-se de uma para trazer Aquele que havia de remir os pecadores, e Israel foi o privilegiado (incluindo os patriarcas). Ainda assim, os filhos físicos de Abraão não podem afirmar que são AUTOMÁTICAMENTE “eleitos” para a salvação, e que são, por conseguintes “justos” independentes da fé genuína em Cristo (VV.31,32). Mas a eleição graciosa do Senhor também opera salvação; Deus decidiu salvar os que crêem e confiam no seu Filho.
Assim, Paulo falando aos judeus étnicos, mostra que Senhor terá misericórdia de quem Ele desejar ter misericórdia, e nenhuma declaração, nem mesmo de descendência JUDIA, anulará o que o Oleiro divino decidiu fazer, pois isto não dependia de quem queria, o de quem corre, mas de Deus que se compadece, isto é; uma expressão que diz estar Deus sobre o controle de tudo, é Ele que quis salvar a todos pela fé em Cristo Jesus.

Lembrando que para os judeus étnicos, os gentios (nós) somos pecadores, cães indignos de salvação, foi onde Paulo mostra que todos de igual modo são pecadores:
     “Pois quê? Somos nós [JUDEUS] mais excelentes? De maneira nenhuma, pois já dantes demonstramos que, tanto judeus como gregos, todos estão debaixo do pecado; Como está escrito: Não há um justo, nem um sequer?”. (Romanos 3:9-10)
E somente pela fé em Cristo é que possamos estar em condição de justificação, de justo diante de Deus.

Nos versículos 17, 18; Paulo mostra que Deus usou de Faraó para continuar o Seu propósito, que era mostrar o Seu poder sobre os outros “deuses” (idolatria), e se fazer conhecido entre as nações como o Deus verdadeiro; através da libertação de Israel. isto não quer dizer que Deus excluiu arbitrariamente Faraó da salvação.
Embora Deus tinha dito a Moises que endureceria o coração de Faraó (Ex 4.21; 7.3); o relato de Êxodo ressalta o fato de que Faraó foi responsável por endurecer seu próprio coração ( Ex 7.13,22; 8.15,19,32; 9.7; cf. 9.34).
Além disso, longe de endurecer o coração de Faraó de modo direto ou determinista. Deus o presenteou com grandes oportunidades de se arrepender ou de continuar em rebelião. Todas as vezes que Deus tinha misericórdia de Faraó e retirava uma praga do Egito, Faraó respondia com desobediência obstinada. Assim, a misericórdia de Deus era OCASIÃO para o ENDURECIMENTO do coração de Faraó.
O judeu Flávio Josefo (37-100 dC), que foi um historiador e apologista judaico-romano, descendente de uma linhagem de importantes sacerdotes e reis, que registrou in loco a destruição de Jerusalém, em 70 d.C., pelas tropas do imperador romano Vespasiano, comandadas por seu filho Tito, futuro imperador; através de suas obras fornecem um importante panorama do judaísmo no século I, em sua obra “Antiguidades judaicas” ele deixou registrado a interpretação judaica acerca da passagem sobre Faraó, que confirma de como evidencia externa o que relatei acima:
“Voltou então a falar ao príncipe, para pedir que os hebreus fossem ao monte Sinai oferecer um sacrifício a Deus, como Ele o havia ordenado. Disse que Faraó não se devia opor à vontade à do céu, mas que, enquanto Deus lhe era ainda favorável, o seu interesse o obrigava a conceder aquele povo em liberdade que lhe pedia. Se ele recusasse, só poderia depois acusar a si mesmo de ser a causa da sua própria desgraça, pois atrairia sobre si, por sua desobediência, toda sorte de castigo; ver-se-ia sem filhos, o ar, a terra e todos os outros elementos ser-lhe-iam contrários e tornar-se-iam ministros da vingança divina; e, por fim, os hebreus não deixariam de sair do seu reino, ainda que ele não o quisesse consentir, e os egípcios não evitariam o castigo de sua obstinação.” - (História dos Hebreus, pág. 147). Em toda narração mostra Faraó resistindo voluntariamente e nunca por ter seu coração endurecido determinadamente por Deus.

Finalmente, ao lidar com essa questão, o apóstolo Paulo começa com pressuposto de que Deus julga todos os homens de maneira justa (Rm 3.5,8). Ele enfatiza o fato de que pessoas como Faraó estão “preparados para a perdição” (Rm 9.22) Porque no fim, é isso que eles farão. Todas as vezes que Deus concede uma oportunidade para se arrependerem, elas endurecem o coração em desobediência e descrença, como Faraó.
Qdo Deus endureceu o coração de Faraó, isso não aconteceu porque Deus tinha determinado que assim fosse antes do seu nascimento, mas somente por causa da posição intransigente e malvada que Faraó assumiu. A bíblia sempre testifica que existe um “tarde demais, ou um BASTA”, mas nunca ensina que existe uma predestinação para o inferno. Ao mandar decapitar João Batista, Herodes foi além dos limites, de maneira que Jesus não lhe respondeu mais (Lc 23.9). Para ele era tarde demais. “Logo, pois, compadece-se de quem quer, e endurece a quem quer” (v.18). Assim sendo o mesmo SOL (Deus) que amolece a cera (coração que aceita) é o mesmo que endurece o barro (coração de rejeita). O responsável diretamente do endurecimento coração é Faraó.
           
Lembre-SE  Paulo está exortando os Judeus étnicos ou judeus cristãos que não havia compreendido as promessas de Deus sobre o Seu povo, e assim nos versículos: “Por que se queixa ele ainda? Porquanto, quem tem resistido à sua vontade?” (v19)
Paulo. Levantou a hipótese que mesmo depois de toda essa explicação a respeito dos mistérios de Deus até então ocultos, mas revelados pelo Espírito Santo, os judeus ainda não concordassem e se achasse no direito de serem legitimados e salvos unicamente por serem judeus por nacionalidade, não concordando com a entrada dos gentios no VERDADEIRO Israel,  Paulo mostra que Senhor terá misericórdia de quem Ele desejar ter misericórdia, e nenhuma declaração, nem mesmo de descendência hebraíca, anulará o que o Oleiro divino decidiu fazer, pois isto não dependia de quem quer, o de quem corre, mas de Deus que se compadece.
Quando Paulo fala do direito do oleiro de fazer o barro do jeito que quiser, responde duas questões da problemática judaica: a primeira é que o criador da nação de Israel fez este povo permitindo que alguns pudessem quebrar o pacto divino; isso pode ser explicado pela Lei do livre-arbítrio (Rm 10.21; At 7.51; Mt 23.37). Segundo, Deus tem o direito de usar quem Ele quiser ou deixar de usar, sem dar explicações a ninguém. Usou Israel do mesmo modo que usou faraó para um propósito. Para obra a eleição é incondicional, para salvação a coisa muda, a condição é abraçar a Cristo.
Na questão dos vasos, é evidenciado pelo VT que o texto que Paulo usa fala sobre a promessa divina para o povo judeu (coletividade), que assim que o objeto de barro recebe a forma conferida pelo oleiro, assim também Deus iria moldar uma situação política de salvação através da Pérsia (Is 45.9-16). Perceba outras referencias acerca do assunto:

“Os preciosos filhos de Sião, comparáveis a ouro puro, como são agora reputados por vasos de barro, obra das mãos de oleiro!” (Lm 4.2).
 “Não poderei eu fazer de vós como fez este oleiro, ó casa de Israel? diz o Senhor. Eis que, como o barro na mão do oleiro, assim sois vós na minha mão, ó casa de Israel” (Jr 18.6).

Elas também se referem ao povo israelita (nação), e não particularmente a indivíduos. Isso indica a eleição para obra.


Deus o Soberano e Perfeito em Seus caminhos, seja dada honra, glória para sempre. Amém!

“Eu não sei quanto a você, mas meu coração não pode se alegrar com aquilo que minha mente rejeita. Meu coração e minha mente foram criados para trabalharem juntos, em harmonia. Jamais alguém foi obrigado a cometer suicídio intelectual por acreditar em Cristo como Salvador e Senhor”. (Josh McDowell)

BIBLIOGRAFIA utilizada:
História dos judeus – Flávio Josefo
Bíblia de estudo em defesa da fé – CPAD
Artigos: William L. Craig / B. W. Johnson
Dicionário do grego do Novo Testamento


Deus te abençoe. Ir. Marschall  

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

TESTEMUNHO - DEUS FAZ COM ELES FAZ COMIGO TAMBÉM. (IR. PEDRO)

A paz de Deus.



Uns dias atrás esteve congregado conosco nosso ir. Pedro de Hortolândia/SP. e nos alegrou contando algumas maravilhas, dentre elas quero deixar registrado pelo menos uma (rs). Posso esquecer pequenos detalhes mas a essência ficará intacta tudo para honra e glória do nosso Deus.

Logo que Deus o chamou na graça, pois pertencia a outra religião, veio crendo em Deus e no evangelho salvífico, mas ao ouvir as obras contadas na CCB na hora dos testemunhos ele ficava combatido porque não via nada semelhante se realizar em sua vida, e ele pedia a Deus que fizesse algo com ele também.
O tempo se passou e por motivo financeiro ele veio a atrasar as parcelas do financiamento do carro, especificamente 4 prestações. E o "Banco" correndo atrás dele para tomar o carro e ele se escondendo (rs) para não perder o carro.

Andando um dia na rua, uma pessoa o parou e deu-lhe um convite para participar de uma reunião sobre saúde na Câmara Municipal (se não me falha a memória), e ele quis recusar achando que seria um encontro inapropriado para ele, mas a pessoa insistiu dizendo que se tratava de falar sobre saúde e não teria nada que  pudesse comprometê-lo.
Ele pegou o convite, foi para sua casa e no dia e hora especifica, ele se arrumando, colocando seu terno e gravata pensou consigo mesmo: - Sabe de uma coisa eu vou para a igreja que eu ganho mais, não vou atrás de palestra coisa nenhuma!

Nesse momento ele sentiu como se algo falasse dentro dele: - Vai a essa palestra que tua libertação está lá.

O ir. Pedro, pensativo, sem entender muita coisa, resolveu ir, ao chegar no local, adentrando viu um homem (vereador, senão estou enganado), todo chique, de terno e gravata, cabelo todo penteado, "chique no urtimo", o perfume do homem foi encontrar sua narina lá na porta (rs)...e ao vê-lo, o Senhor falou no seu coração: - VAI E DIZ PARA ELE PAGAR SUA DÍVIDA, AS PRESTAÇÕES DO CARRO!
O ir. Pedro foi até o homem, afinal, o que ele podia levar era um NÃO, e disse: - Boa noite, posso falar com o senhor? Claro, respondeu o homem.

O ir. Pedro o chamou no particular, o qual o homem o levou ao seu escritório, e ao chegar lá o irmão prosseguiu dizendo: - Olha, eu sou um servo de Deus, sirvo a Deus na Congregação Cristão no Brasil, e meu Deus mandou vim aqui dizer pra vc pagar as prestações do meu carro que está atrasada e o Banco quer tomar.

O homem olhou bem para ele e perguntou qto era, o irmão Pedro disse que era uns R$1.250,00 reais, não lembro exatamente qto. O Homem, disse para o irmão se era só aquilo, respondendo que sim, o homem disse: - Se o seu Deus mandou eu pagar, então pagarei! Pegou o talão de cheque e preencheu e deu ao irmão Pedro.

No outro dia ele foi ao Banco pagar, todo feliz, mas ao chegar e perguntar qto devia, a caixa informou que era +/- uns R$ 140,00 a mais do que ele achava ser. Ele ficou aflito, pensando aonde ele encontraria o restante para inteirar a importância, foi qdo ele olhou para a mulher e disse: - Vai lá e diz para o gerente que Deus mandou pagar essa quantia do cheque e nada mais!
A mulher do Banco, ficou olhando espantada para o irmão Pedro, mas foi falar com o gerente, o que foi dito não sabemos, mas ao voltar disse ao ir. Pedro que estava TUDO CERTO.



E Deus. o mesmo Deus que fez obras no passado, faz também no tempo presente. O Senhor sempre nos surpreende. Glória a Deus!



Deus vos abençoe.

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

GOSTEI DA COMPARAÇÃO; NÃO PARECE SEMELHANTE A ALGUMA COISA AO NOSSO REDOR?


A comparação entre a vida após a "morte" e a vida após o nascimento é simplesmente maravilhosa!
O CÉTICO E O LÚCIDO ...

 
No ventre de uma mulher grávida estavam dois bebês. O primeiro pergunta ao outro:
- Você acredita na vida após o nascimento?
- Certamente. Algo tem de haver após o nascimento. Talvez estejamos aqui principalmente porque nós precisamos nos preparar para o que seremos mais tarde.
- Bobagem, não há vida após o nascimento. Como verdadeiramente seria essa vida?
- Eu não sei exatamente, mas certamente haverá mais luz do que aqui. Talvez caminhemos com nossos próprios pés e comeremos com a boca.
- Isso é um absurdo! Caminhar é impossível. E comer com a boca? É totalmente ridículo! O cordão umbilical nos alimenta. Eu digo somente uma coisa: A vida após o nascimento
está excluída – o cordão umbilical é muito curto.
- Na verdade, certamente há algo. Talvez seja apenas um pouco diferente do que estamos habituados a ter aqui.
- Mas ninguém nunca voltou de lá, depois do nascimento. O parto apenas encerra a vida. E afinal de contas, a vida é nada mais do que a angústia prolongada na escuridão.
- Bem, eu não sei exatamente como será depois do nascimento, mas com certeza veremos a mamãe e ela cuidará de nós.
- Mamãe? Você acredita na mamãe? E onde ela supostamente está?
- Onde? Em tudo à nossa volta! Nela e através dela nós vivemos. Sem ela tudo isso não existiria.
- Eu não acredito! Eu nunca vi nenhuma mamãe, por isso é claro que não existe nenhuma.
- Bem, mas às vezes quando estamos em silêncio, você pode ouvi-la cantando, ou sente, como ela afaga nosso mundo. Saiba, eu penso que só então a vida real nos espera e agora apenas estamos nos preparando para ela…
 
PENSE NISSO.....
 

QUE DEUS VOS ABENÇOE.

TESTEMUNHO (IR. ONÍCIO) - MILAGRE NO TANQUE BATISMAL.

 
A paz de Deus. Essa obra nosso irmão Onício contemplou e nos contou dessa forma:
 
Eu estava lá, e ví este milagre
Todo primeiro sábado do mês, é realizado batismo na minha comum congregação.

No dia 03 de Setembro de 2011, o batismo transcorria normalmente, até que em um determinado momento, seguia em direção ao tanque batismal, uma moça sendo transportada por uma cadeira de rodas.

Aquela moça estava paralítica há vários anos e queria ser batizada....., mas aí sugiu a dificuldade: Como o Irmão Diácono sozinho iria tira-la da cadeira de rodas e desce-la ao tanque de batismo?

Foi necessário um outro Irmão Diácono trocar de roupas para ajudar....os dois irmãos conseguiram descer os degraus do tanque carregando aquela moça.....já dentro das aguas, o Irmão Ancião e os dois Diáconos conseguiram realizar o batismo.

Ao levantar das aguas, aconteceu o milagre. Aquela irmã foi liberta por completo da paralizia e saiu andando sozinha....ao sair do vestiário, a Irmã paralitica passou andando pelo corredor, e atrás dela uma irmã auxiliar empurrava a cadeira de rodas vazia..... foi uma noite inesquecível, não sei se a igreja subiu ou se o Céu desceu, mas o milagre aconteceu.

A irmã de sangue da ex-paralítica que odiava crente, tambem se converteu e hoje é nossa irmã.

Eu e minha espôsa tivemos o privilégio de vivenciar este soblime momento, Deus permitiu que lá estivéssemos para contemplar esta maravilha....Louvado seja Deus.

terça-feira, 15 de novembro de 2011

Bíblia Narrada Por Cid Moreira - Novo Testamento



PARTE 1

http://www.megaupload.com/?d=ZAEICB80

PARTE 2

http://www.megaupload.com/?d=XE30TJYG

LINKS PEGO NA WEB.

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

TESTEMUNHO - NENÊ DA VILA RÉ/SP. - DEUS É DEUS.

A paz de Deus. Essa obra o ancião da Vila Ré/SP, irmão Nenê contou em uma Reunião da Mocidade. e Assim o fez:

Irmãos, a minha infância foi muito difícil. Eramos em cinco morando num pequeno barraco, eu e mais dois irmãos, meu pai e minha mãe. Eramos todos crentes mas a minha mãe era muito crente. Nós moramos um bom tempo ao lado do cemitério num barraco de pau-a-pique de um comodo apenas. Tínhamos somente uma cama de solteiro onde dormia minha mãe, eu e meus dois irmãos; meu pai dormia no chão. Não havia luz elétrica, usávamos lamparina.
Neste tempo não tínhamos o que comer, mas sempre Deus preparava. Havia perto uma empresa que beneficiava leite que não usava o soro do leite, e nos enchiámos uma lata de 18 litros e bebíamos uma caneca daquele soro de manha, no almoço e na janta. Outras vezes a fornada de pão doce da padaria queimava e o português chamava para nos dar aqueles pães queimados. Era o dia feliz em que nos recebíamos um grande presente e nos íamos comendo aquilo com o soro, dias e dias.
Passamos um bom tempo sem termos roupas novas, nos ganhávamos roupas usadas. Meu irmão do meio tirava água do poço com o sarilho para uma irma e em paga do seu trabalho ela lhe dava comida. Um dia ela lhe deu uma camisa de cor bordo,e aquela camisa serviu para todos nós, porque eu não tinha camisa, eu tinha uma calça curta, larga e amarrada do lado, porque era muito grande, e o meu irmão usava a camisa dois dias, lavava e me emprestava, eu usava dois dias, lavava e passava para o outro e assim nos passamos muito tempo revezando aquela camisa.
Minha mãe era muito zelosa, ela me ensinou a ler a bíblia e antes de eu ir brincar no quintal ela me fazia sentar ao seu lado, ela punha o véu na cabeça me entregava a bíblia e me pedia para que eu lê-se para ela em algum lugar. Ela ficava ali reverente, com o véu na cabeça e Deus me dava a graça de ler algum capitulo para ela, e terminando de ler, ela me beijava e mandava ir brincar. E ela recebia aquilo toda as manhas como a Palavra de Deus, ( como de fato é a Palavra de Deus), ali ela comia sua porção espiritual de cada dia.
Meu pai de vez em quando ficava bêbado. Não era continuo, mas ele bebia dois ou três meses depois parava, passava anos sem beber, depois voltada a beber junto com os outros, e aquilo nos trazia muita angustia porque nos não tínhamos nem o que comer em casa. Um vizinho nosso que era cooperador, já velhinho ( que o Senhor já o recolheu há muitos anos), ele engordava porcos em seu quintal e periodicamente ele me entregava uma bicicleta preta que ele tinha, com uma lata de 18 litros na garupa, já tinha as casas certas para ajuntar a lavagem para ele engordar os porcos e eu ia de casa em casa para recolher. Aquele era um dia feliz, porque a gente almoçava e jantava daquela comida que para muitos era lixo, mas matava a fome.
Noutra ocasião, já em outra casa, eu dormia em cima de uma mesa, sem colchão, e minha mãe dormia em uma cama que no meio tinha acabado e só ficaram as laterais e estava cheia de capim. As vezes eu acordava de madrugada com algum ruido e ia lá no quarto e mesmo dormindo ela estava falando em línguas. Coisas bonitas que eu nunca vou esquecer na minha vida. Deus nos foi provando, provou a nossa humildade, apertou nossos sentimentos. Houve ocasiões até em que eu ia em reuniões da mocidade e era tirado de dentro da igreja pelos porteiros, mas se me tiravam pela porta da frente eu entrava pela porta do lado, eu não perdia nada da casa de Deus. E assim Deus me deu a graça de ir crescendo junto com meus irmãos, meu pai e minha mãe.
O Senhor preparou de ver coisas bonitas. Normalmente quem se lembra de atender o pobre são os adultos, quem já sofreu na pele a fome e a dificuldade de criar uma família. Raramente se vê um moço, ou uma moça levar pão para o faminto, dificilmente se vê uma moça dar um banho num doente, cuidar de uma casa para uma mãe, para uma velhinha. Mas eu tive a oportunidade, nos dias da minha meninice, naquela casinha que nem piso tinha, de ver chegar na minha casa um grupo de moços e moças entre dezesseis e dezenove anos, aquelas moças simples levavam arroz, feijão, açúcar, sal, enfim cada uma levava uma coisa, levavam vassouras, sabão, e elas chegavam cedo na nossa casa, lavavam os pouquinhos de coisas que tínhamos, varriam a nossa casa, lavavam as nossas roupinhas, costuravam, faziam o almoço com aquilo que levavam, passavam a tarde ali conosco, deixavam a janta pronta no final, oravam conosco e depois iam embora para casa. Que coisa bonita! Os anos se foram, mas esse quadro ficou gravado na minha memória. Moças novas ainda, com a pele lisa, olhos brilhantes, já envolvidas pela caridade, pelos sentimentos cristãos.
Uma delas não andava com as outras, chamava-se Vitória e era gordinha, retraída, não convivia com as outras. Quando terminava o culto ela pegava no braço de sua mãe (mãe de criação) e ia junto com ela para casa, era caseira, pouco falava. Eu era um menino nessa época e nós morávamos numa rua de terra , longa e as vezes era meio dia e nós não tínhamos café, não tínhamos nada em casa e estávamos brincando na poeira e a gente avistava de longe aquela moça e ela vinha trazendo um caldeirão grande, e naquele caldeirão tinha feijão, arroz, carne, macarrão, batata, e quando nós reconheciá-mos aquela moça sozinha, sem companhia, andando naquela avenida comprida, nós corríamos para dentro esfregando as mãos e íamos dizer a nossa mãe, a Vitoria vai chegar...A Vitoria esta chegando. Então era uma Vitoria trazendo a nossa vitória. Era uma coisa maravilhosa e são coisas que ficam gravadas dentro da gente. É gostoso, é bonito ver um irmão velhinho socorrer o outro, mas que coisa bela é ver gente nova tocada pela caridade, tocada pelo amor, isento das ilusões deste mundo.
Eu louvo a Deus porque no ano de 1974 o Senhor mostrou para minha mãe numa noite que ela seria recolhida do nosso meio. Ela tina 34 anos, tinha os cabelos compridos, para baixo da curva das pernas. Então ela nos reuniu de manha, era quase no fim do mês de junho, e ela chamou meu pai, eu e meus dois irmãos e mais duas irmãs amigas dela e ali nos deu conselhos e nos anunciou o que Deus tinha dito para ela durante a noite. Chamou meu pai, e ele era um homem alto, forte, um homenzarrão, e ela disse: Meu marido, a nossa vida até aqui foi uma vida amarga na parte material, uma vida sofrida, nunca tivemos nada de sobra, então tudo foi falta nessa casa, mas eu quero hoje transmitir para vocês que Deus nesta noite me disse que eu estou de partida, Deus vai me levar com Ele, e se até agora foi difícil para nos, agora vai ser mais difícil para vocês, porque até agora passamos fome, necessidades, mas nos passamos juntos, mas agora nossos filhos não vão ter a mãe do lado,Deus me levara daqui a pouco, ou a tarde, ou de madrugada, ou amanhã, mas eu já estou de partida.
Ai ela nos deu conselhos, nos deu doutrina, falou das mas companhias, das boas companhias, nos orientou que frequentássemos as casas dos crentes firmes e disse para nunca deixarmos a igreja, para congregarmos e quanto ao batismo ela dizia: Deus vai tratar com vocês e vocês vão tratar com Deus, mas congregar é dever de vocês, o restante Deus fará. E disse mais: Vocês deverão continuar a vida, vocês vão passar necessidades, vocês vão crescer separados uns dos outros, vão crescer dispersos. E virando para meu pai ela disse: Meu marido, se eu não consegui preencher o papel da mulher que você desejou, hoje eu te peço perdão por tudo o que não fiz, tudo o que eu não consegui realizar, eu te peço perdão, mas procurei ser aquilo que eu pude ser. Então ela pediu perdão e abraçou o meu pai e os dois se abraçaram, choraram um no ombro do outro, e depois ela disse para ele: Meu esposo; de vez em quando o vício te pega e tira o teu brilho, toca na tua moral e aumenta a nossa dor, ai por algum tempo você não bebe, mas Deus põe na minha boca para te dizer: Clame ao Senhor para que nunca mais o vício volte ao teu corpo. Congregue crie os nossos filhos, sirva ao Senhor e se você for fiel um dia nós vamos nos encontrar na Glória de Deus. Porem se o vício um dia voltar, então você vai se tornar um andarilho e vai andar pelas estradas, dormir embaixo das pontes, das árvores, vai carregar um saco nas costas, vai andar descalço, maltrapilho, barbudo e faminto, errante pelas ruas. A tua bíblia, que você tanto leu e tanto gosta dela, tão limpa e tao bonita, se o vício voltar, você vai acordar um dia deitado num pasto molhado de orvalho, descalço, fedido, maltrapilho, o saco de roupas sujas vai ser teu travesseiro e a tua bíblia vai estar dentro dele, sem capa, rasgada e suja, e o gado vai estar pastando ao seu lado. Foi uma sentença que ela disse para ele e depois virando para nós ela disse: A mamãe vai embora, vocês não vão ter mais uma família, mas se vocês forem fiéis Deus vai por em volta de vocês uma grande família.
Eu louvo a Deus, porque naquela manhã o meu pai e os meus irmãos se abraçaram com a minha mãe, se despediram mas eu não tive coragem e fui para o portão, me assentei na terra e fiquei pensando na vida. Foi o último encontro que tivemos com nossa mãe, foi a ultima vez que tivemos ela na nossa frente porque o Senhor a recolheu, como ela tinha dito.
Ficamos uns trinta e poucos dias juntos e logo nos separamos, cada um para o seu lado. Infelizmente o vício voltou no meu pai e ele se tornou um andarilho, não teve mais casa, não teve endereço, não teve família e andou pelas ruas com saco nas costas, maltrapilho, fedido. Eu e meus irmãos fomos separados e eu me preocupei muito com meu irmão do meio pela natureza que ele tinha, e nos dava um pouco de trabalho, mas Deus na Sua bondade estava cuidando de cada um de nós.
Eu fui viver a minha vida, um pouco morando com alguém e outro pouco sem ninguém, dormi muito tempo no Aeroporto de Congonhas, na área de espera. Depois dos cultos eu ia para o Aeroporto e la dormia, chegava as 22:30h e deitava la em cima na área de espera, num banco, me encolhia dentro de uma blusa e la passava a noite. Isso foi durante um bom tempo. Outra época eu dormia no quintal da casa de uns irmãos, eu ficava andando na frente da casa deles, que eu conhecia pois já tinha morado la, esperando dar meia noite e meia ou uma hora, quando eles apagavam as luzes, ai eu abria o portão e entrava no quintal para dormir junto com o cachorro que eles criavam. Deus foi tão bom para mim e me guardou durante todo esse tempo. Eu dormi muito em sanitários, ônibus velhos, carros velhos. Numa noite de grande desespero, quando aquela família apagou as luzes da casa eu entrei no quintal, com muito medo de ladrão, e naquela noite tinha estrelas, como raramente se via em São Paulo. Deus tinha dado um culto bonito na Vila Ré e ninguém sabia que eu não tinha casa, eu nunca contei pra ninguém que eu não tinha casa, e naquela noite, no meu desespero, eu entrei no portão e fui direto onde o cachorro estava, deitado de costas para o portão, e quando eu entrei ele se virou para o meu lado e balançou a cauda e eu deitei do seu lado, num saco sujo, e ali no meu desespero eu orei deitado e disse: Senhor; se o meu irmão me nega uma cama, me nega uma casa e eu não tenho direito a ter nem família, pelo menos este cão me recebe com tanta alegria; mas Senhor, por que eu não tenho direito? E lá abri a minha alma e chorei, mas não adiantou, porque o cálice era meu e eu tinha que beber.
Noutra ocasião eu estava morando com uma família e na mesa do café com leite, o pão com manteiga, bolachas, mas na minha frente só havia uma xícara de café preto. Por muitas vezes o choro veio na minha garganta, mas uma voz dizia assim: Ninguém tem culpa, a prova é tua. Então Deus me dava forças. Numa outra casa onde morei passei também por provas porque eu congregava todos os dias e era comum quando estava me aprontando para ir ao culto os irmãos me perguntarem: Aonde você vai Nene? Eu respondia para eles: Eu vou para o culto.. E eles me diziam: Você não foi ontem? Fui. E vai hoje de novo? Vou. Mas será que você volta? Volto, por que não voltaria? Talvez os carros de fogo e os cavalheiros te recolham pelo caminho. Era para diminuir a minha fé, para escarnecer da minha necessidade, mas nunca respondi pois quem precisava era eu, quem tinha fome era eu, então eu ia para a casa de Deus e assim Deus me deu a graça de atravessar a minha adolescência, a minha juventude, Deus me chamou nas águas do batismo, selou a minha alma com a promessa do Espirito Santo, me deu o privilégio de aprender a música, me deu a graça de servi-lo como auxiliar na reunião de jovens e menores, e naquele tempo, há dezoito anos atrás recitavam trezentos e pouco, e ninguém tinha carro, era uma mocidade pobrezinha e nos éramos muito unidos. Só a minha fila, dos meninos recitavam 52, e eles não faltavam. Hoje eu louvo a Deus porque daqueles meninos que recitavam com a gente hoje tem diáconos, tem cooperadores, tem cooperadores de jovens, anciães, encarregados regionais, e de vez em quando a gente encontra em algum lugar com um, em outro lugar com outro, e valeu a pena sofrer e chorar, Glória a Deus!
Louvo a Deus por todo bem que me concedeu. Deus não me deu a graça de ter cultura e estudar, mas me preparou emprego e graças a Deus faz alguns anos que não voltei a passar fome (também espero que não volte nunca mais). Eu agradeço a Deus porque os meus irmãos viveram a mesma vida, cada um no seu lugar, mas Deus chamou nós três na Sua Graça e deu esposas para nós três. O meu irmão do meio que dava trabalho quando menino, que brigava na rua, o Senhor fez com que ele fosse apresentado como cooperador de jovens e menores, ainda solteiro, jovem, na cidade de União da Vitória, que divide o estado de Santa Catarina com o Estado do Paraná. Depois Deus preparou uma irma para ser sua esposa, depois levantou ele como cooperador oficial. Ele também sofreu muito, uma vez quando ainda era cooperador de jovens e menores e a obra naquela cidade era muito sofrida, ele veio uma vez para S.Paulo buscar a Palavra. Ele viajou a noite toda porque alguém disse para ele assim: Você congrega todos dias com a mesma roupa, quando você comprar roupa nova, você pode atender a reunião. Isso aconteceu numa terça-feira e na quarta-feira chegou na casa dele uma caixa com dois ternos, camisas, gravatas, meias, sapatos, tudo novinho para ele. Então ele não falou nada, voltou no próximo culto que era antes do domingo, todo bonito, de terno novo, então quem disse para ele não atender a reunião enquanto não voltasse com roupa nova, perguntou para ele: Já comprou roupas novas? Ele respondeu: Deus preparou! Então você pode continuar. E ele continuou. Mas a obra estava sofrendo. Uma noite Deus mandou a Palavra na Vila Ré num domingo e dizia assim: Neste momento Eu estou removendo a pedra da minha obra na tua cidade. E Deus dizia: Lá Eu vou trocar tudo, Eu vou trocar os porteiro, Vou trocar a piedade, Vou trocar os músicos, Vou trocar o encarregado, Vou trocar o diácono, Eu vou trocar tudo...E Deus trocou tudo, mesmo! Tudo lá é novo, mas tudo mesmo, e depois disso faz 13 anos que Deus levantou o meu irmão como ancião e serve a Deus feliz com sua família junto daquela irmandade. E o outro meu irmão também esta feliz e congrega ali em Santa Izabel, e assim Deus tem abençoado muito.
No ano de 1989 Deus me chamou para junto da mocidade como cooperador de jovens e menores na Vila Ré e depois em 1994 me chamou para este outro ministério. Louvo a Deus porque o que Deus fez para mim foi demais, não era para estar vivo, nem para ser gente, era para ser desencaminhado e estar largado nos vícios, mas eu posso falar de boca cheia que nunca me apartei dos pés do Senhor. Com casa ou sem casa, com pão ou sem pão, com família ou sem família, Deus me amparou. E hoje eu pago o meu voto, porque tão logo Deus recolheu minha mãe, uma das vizinhas estava preocupada conosco e dizia para mim: Nene, vamos ao cinema. Isto era todos os dias. Vamos ao cinema a noite para nos distrairmos. Eu dizia que ia, mas quando chegava a hora de ir eu saia de casa e só voltava depois que ela tinha saído, depois arrumava um jeito de dar uma desculpa. Na última vez que eu prometi de ir, durante o dia, antes que a mulher chegasse, a tarde, eu fui no centro da cidade aonde tinha o cinema e la tinha uma grade que corria sanfonada e tina os cartazes do cinema, do que ia ocorrer a noite, então eu pus as duas mãos naquela grade e olhei para os céus (eu ainda usava calça curta) e disse: Senhor; a minha mãe Tú levaste e eu não tenho nada na vida, nunca entrei neste lugar e se um dia eu for moço, e olhar pra trás e me lembrar que eu nunca entrei dentro de um cinema, eu te exaltarei de toda minha alma. E Deus me guardou e hoje eu exalto o nome do Senhor.
Louvo a Deus por muitas obras, muitos favores que Deus tem feito na minha vida. Minha esposa certa vez ficou cega de um olho e Deus mandou uma Palavra dizendo que iria operar. E numa noite, eu não vi, esta obra é tao bonita porque ela é assim, mesmo dormindo junto eu não vi, eu percebia algum movimento mas o que ela viu eu não vi, e de manhã ela então me contou que entrou um clarão dentro de casa, e entrou um varão e falou com ela e devolveu-lhe a visão e foi embora. Glória ao Nome do Senhor!

Deus deve ser sempre louvado, sempre glorificado, sempre exaltado por todos nós.

Hoje eu louvo a Deus por tudo o que Ele me fez. O meu pai, que tinha ido embora, depois de muitos anos nós o encontramos. Não sabíamos onde estava, nem onde andava, mas tivemos uma notícia de que ele poderia estar em uma cidade perto de Ribeirão Preto. Ai eu chamei o irmão Toninho, ancião da Vila Salete e fomos até lá. Antes fizemos uma oraçao e dizíamos: Senhor; não sabemos onde ele está, nos de um bom encontro, tenho saudades do meu pai. E quando fazia meia hora que tínhamos chegado naquela cidade eu olhei e numa esquina vinha andando um homem alto, magro, sujo, descalço, cabeludo, de saco nas costas, era meu pai, ali nós nos abraçamos e choramos. Pedi para meu tio preparar um banho para ele, fui comprar roupas e preparei tudo, trouxe ele para São Paulo, tirei os documentos dele, e ele ficou de novo bonito, e eu disse: Pai, o Senhor é novo, mas não trabalha, eu vou trabalhar e o Senhor vai só ficar junto com a gente. Uma ocasião ele chorava muito e disse para mim e meu irmão: José meu filho, eu me lembrei do que Deus pôs na boca da sua mãe quando um dia acordei no meio das vacas do pasto, molhado de orvalho, sujo e maltrapilho, com o cabelo encaracolado deitado sobre o saco de roupas sujas, e a minha biblio estava dentro do saco, sem capa, rasgada e suja. E assim ele ficou com a gente três anos, viajou com meus irmãos, ajudou construir igrejas. Mas depois desse tempo ele quis de novo ir embora para algum lugar e foi-se e nunca mais nós o achamos.Depois de alguns anos soubemos que ele foi encontrado no meio do mato, morto com aquele saco de roupas sujas ao seu lado.
Mas Deus nos guardou, a mim e aos meus irmãos, Ele nos amparou e eu tenho certeza de que se eu for fiel, junto convosco herdaremos a coroa da vida eterna.

Deus seja louvado. Amém!

AMÉM.

sábado, 29 de outubro de 2011

QUE DIFERENÇA FAZ? - FILME EVANGELÍSTICO EXTRAORDINÁRIO - VALE CONFERIR.



O filme "Que Diferença Faz?", é uma excelente dica para os universitários Cristãos e amantes do cinema, pois mostra através de mensagens evangelísticas como nós podemos apresentar o evangelho de Cristo com mensagens claras e precisas no Campus. O filme também conta com a participação especial do Rev. Caio Fábio e é uma grande produção cinematográfica da década de 80.
Sinopse : (Não Oficial) O filme retrata a história de um Jovem universitário da Faculdade Estadual de Londrina, que está com problemas com notas e com a namorada, entrando também em um estado de crise existêncial, até que ao passar pelo Campus, viu uma reunião cristã com o Caio Fábio, todavia não deu muita importância para a mensagem. Após alguns dias o seu professor de Filosofia abriu espaço para o palestrante, e o Jovem pode ser impactado por sua mensagem sobre a Bíblia e Cristo, mudando assim o rumo de sua vida.
Título Original: Que diferença Faz?
Diretor: Jessé Murphv
Gênero: Evangélico
Duração: 54 min e 56 seg.
Origem: Brasil
Tipo: Longa
Ano: ---

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

TESTEMUNHO - LIBERTAÇÃO DE ESPÍRITO DE ENFERMIDADE (IR.ISDAEL)

Louvado seja Deus.  No dia 03/09/2011 teve batismo em minha comum, foi uma festa de salvação, 28 almas abraçaram o evangelho, sendo 10 mulheres e 18 homens.
Quem atendeu o serviço de batismo foi o ir. Isdael e no púlpito ficou o ir. Carlos (Bamba) ambos de Promissão/SP. O Ir. Isdael contou uma obra muito linda sobre ídolos e com libertação demoníaca de enfermidade, foi estrondosa.
Ele nos relatou que estando em seu consultório dentário uma irmã por nome de Matilde ligou e ao atender ela pediu oração por uma jovem de Bauru/SP  que não era batizada mas congregava constantemente, pois os pais é nossos irmãos e ela estava internada na UTI com uma dor insuportável nas costas que nem morfina tirava tal dor, e os médicos estavam desesperados pois não conseguia achar o que ela tinha,  fizeram exames e mais exames e nada, e cada dia que passava mais perto da morte a moça estava.

Ele disse que oraria e Deus ia fazer o que tinha que fazer.

Mas a irmã Matilde continuou relatando que ela foi até a casa da moça e ao entrar no quarto delase deparou com as paredes cheias do alto abaixo de  fotos de “ídolos” , não imagens de “santos, mas cantores e artistas cheios de tatuagens, amantes da promiscuidade, da bebedices e drogas, e a irmã Matilde sentiu uma aflição e tribulação muito grande naquele ambiente.
Nesse momento o ir. Isdael respondeu dizendo pra ficar na comunhão pois aquilo chamava demônios, e por isso a enfermidade. Deus preparou dele congregar em Bauru no culto de adultos e na hora da PALAVRA o Senhor revelou a parte onde Saul ficava atormentado por um espirito contrario, por causa de desobediência, Deus permitiu que aquele demônio o atormentasse.
E Davi qdo tacava a harpa o demônio saia..., e num dado momento da pregação Deus tomando o Ir Isdael profetizou:
O ESPIRITO CONTRARIO QUE ESTA NAQUELA MOÇA LÁ NA UTI DO HOSPITAL, O SENHOR TE ORDENA  AGORA SAI DELA E HAJA LIBERTAÇÃO NAQUELE LUGAR!
Terminou o culto o ir. Isdael foi pra casa de sua irmã e estando lá,o telefone tocou, uma irmã querendo falar com ele, mas ele não quis atender, apenas pediu pra deixar recado, a irma do outro lado disse que era para o ir.Isdael agradecer a Deus pois ao chegarem no hospital após o culto, a moça estava de pé liberta por completa, chorando e dando glória a Deus.

Passaram-se os dias a moça foi congregar na comum do ir. Isdael juntamente com seus pais e agradeceu a Deus pela libertação e confessou sua fraqueza para com os ídolos, mas o Senhor a havia libertado e adoraria somente a Deus.
ALELUIAAAAAAAAAAAAA. ESSE É O DEUS QUE SERVIMOS E ADORAMOS.

Deus vos abençoe.

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

ÓTIMAS GRAVATAS - JÁ COMPREI 5 (rs)

A paz de Deus. 


Venho hoje fazer uma propaganda de um site onde comprei umas gravatas maravilhosas, e VOLUNTARIAMENTE resolvi postar em meu blog, visto que nossos irmãos as usam.
Achei o melhor em relação custo/beneficio, o problema é que precisa-se fazer os nós, digo para aqueles que gostam das de ziper, afff...essas não são pra mim (rs), danificam-se rápido e não dão aquele ajuste legal e moderno no pescoço.


Está ai, quem gostar, creio que não vão se arrepender. Deus vos abençoe! 


ENTRE NO SITE: http://artgravatas.com.br/store/



quinta-feira, 8 de setembro de 2011

TESTEMUNHO (IR. ASSIS/OSASCO) - Libertação de sua filha. Deus é bom!


Minha filha Vanessa ,os médicos a desenganaram quando ela tinha 13 anos, e pediram que nós a levássemos para a casa após vários dias no hospital,os médicos nos disseram:- Ela perdeu toda a coordenação motora, não movimenta nenhuma parte do corpo, portanto é o motivo dela estar com essa sonda que entra pela boca e vai até a entrada do estômago para voces injetarem água e batidas de alimentos e voces vão cuidando dela,porque aqui não podemos fazer mais nada.

Então eu perguntei para o Dr:- Mas como pode uma pessoa ficar vivendo assim?ele respondeu: - Talvez 6 meses a 1 ano.

Nós muito provado nessa época tanto material quanto em enfermidades, do hospital pedimos para a ambulância deixar ela na casa de minha irmã que era enfermeira, e tinha mais experiencia lidar com aquela sonda, ela morava na COAHB2 de Carapicuiba.

Fui embora para casa, mas acreditando que se da parte da medicina terrena não tinha mais jeito, havia chegado o grande momento de Deus operar, só Deus para operar e não conseguia deixar de dobrar o Joelho altas horas da madrugada no JD Briquet em Itapeví.

Quando amanheceu o dia de um domingo cuidei de alguns afazeres e fomos visitá-la, quando cheguei, na comunhão abracei-a (Vanessa) e ela falou depois de muitos dias inerte: - Pai quero água.
Sentaram ela e foram colocar água através da sonda, eu pedi para dar na colher, e minha irmã respondeu que não, que não podia.

Eu clamando o Senhor no íntimo insisti:-Por favor e ela deu. A Vanessa tomou três colheres de água.
Logo prepararam a sopa de alimentos e foram colocar novamente pela sonda, eu pedi que desse na colher e ela foi tomando,então pedi que tirasse a sonda.   

A Graça minha irmã respondeu:- de jeito nenhum, depois pra colocar vai ter que ir no hospital, eu não coloco. Insisti com muita fé:- Por favor tira. Ela tirou. A Vanessa começou a andar após a refeição, fomos embora para casa e a Vanessa vive em plena saúde conosco até hoje, com 35 anos de idade.

 Deus vos abençõe!

TESTEMUNHO (IR SAMUEL) - INFECÇÃO NO OUVIDO.


Quando a minha esposa era criança, ela teve uma infecção no ouvido. A mãe dela, que na época servia a Deus em outra igreja e hoje serve a Deus na CCB, levou-a ao médico.

O médico introduziu uma ferramenta em ambos os ouvidos da minha esposa, e começou a tirar pedaços de, segundo ela, carne. Saiu muito sangue, infeccionou.

Minha esposa passou anos tentando conseguir uma cirurgia pelo SUS para resolver ao menos a questão da infecção, mas, como o SUS é o SUS, nunca deu certo.

Passaram-se uns 12 anos e nós nos conhecemos. Ela, com muita timidez, me disse que tinha os dois tímpanos furados, que não ouvia muito bem e que, quando ela molhava os pés, saía pus dos ouvidos, fazendo-os cheirarem mal. Ela me perguntou se não tinha problema, ou seja, se eu, mesmo sabendo disso, continuaria a querer namorá-la. Como eu a amava, disse que aquilo não nos impediria de casar e que, futuramente, procuraria um médico para tentar resolver o problema.

Após ficarmos noivos, fomos com ela a um otorrinolaringologista, que me disse que, para ela ficar boa, era necessário fazer duas cirurgias em cada ouvido: uma para retirar a infecção e outra para reconstituir o tímpano.



Nós nos casamos e tivemos uma fase de dificuldade financeira, que nos impediu de ter acesso a bons médicos. Bastava a minha esposa molhar os pés para que os ouvidos infeccionassem e começasse a sair pus. Para evitar o mau cheiro, minha esposa colocava algodão nos ouvidos, o que, somado aos furos dos tímpanos, fazia com que ela tivesse uma dificuldade tremenda para ouvir o que as pessoas falavam.

À noite, antes de dormir, minha esposa usava o cotonete para limpar os ouvidos, e o cotonete saía sujo, todos os dias. Às vezes eram necessários vários cotonetes. Após limpar os ouvidos, minha esposa punha algodão de novo.

Assim passaram-se alguns anos até que, um dia, um irmão chegou em casa e disse: “irmãos e irmãs, eu estou sentindo da parte de Deus de fazer uma coisa e eu espero que vocês não se choquem”; “Se vocês quiserem, nós vamos orar e eu vou pôr as mãos nos ouvidos da irmã Beatriz e Deus vai tirar a infecção do ouvido dela”.

Eu confesso que o meu primeiro impulso foi dizer àquele irmão que ele parasse de inventar moda, mas me veio um pensamento à mente: “vamos fazer o que ele está dizendo”; “Pôr as mãos no ouvido da Bia não pode fazer mal”; “Se não acontecer nada, nós vamos ao médico e resolvemos isso conforme a ciência, mas, se for obra de Deus, o tempo dirá”.

Participamos, então, daquele ritual que me parecia estranho e místico, e esquecemos o assunto.



Passou mais ou menos um mês, e minha esposa pegou um cotonete para fazer o costumeiro ritual de limpar os ouvidos. Introduziu o cotonete no ouvido direito, esfregou as paredes do ouvido e, quando tirou o cotonete... surpresa! O cotonete estava limpinho!

Minha esposa ficou intrigada, e introduziu novamente o cotonete no ouvido. Mexeu, mexeu, mexeu e, quando o tirou para fora, o cotonete continuava limpo como novo! Assim foi com os dois ouvidos.

Já se passaram uns cinco anos desde que isso aconteceu, e, de lá para cá, nunca mais o ouvido da minha esposa infeccionou.





Deus vos abençoe!

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

TESTEMUNHO - TORNANDO-SE MESTRE DE OBRAS - IR. ELIZEU.

O irmão Eliseu de Ilha Comprida contou uma Obra linda. Assim como existem os Dons Espirituais. Deus também conforme a necessidade dispensa Dons Materiais. Ele contou que o seu pai chamado por nome de Miguel, era servente de pedreiro. E numa madrugada o seu pai teve uma visão.Ele contou que um anjo tinha falado que ensinaria ele a construir casas.

E o anjo trouxe na mão uma planta da casa e foi explicando o que era sapata, vigas e assim por diante. E o anjo falou para o nosso irmão Miguel, vamos fazer a casa e os 2 fizeram. Quando terminaram a casa o anjo deu o rolo de planta na mão do irmão Miguel e pegou o molho de chaves e deu na mão do irmão e disse: Miguel a partir de hoje vc é construtor de casa, vc é construtor da cidade de Canáneia - Litoral Sul de SP. Quando acordaram de manhã cedo. A esposa do irmão Miguel disse: Miguel tá na hora de trabalhar. E ele respondeu não vou trabalhar, (porque o irmão Miguel estava trabalhando de servente de pedreiro). Ela argumentou porque?. E o irmão Miguel respondeu porque agora eu sou construtor de casa. E a esposa esbravejou com ele. E o irmão Miguel contou a visão da noite para a esposa. Então os 2 concordaram e entrou aquela fé neles e ele foi comprar as ferramentas na Casa de Ferragem e comprou tudo fiado porque era conhecido na cidade e colocou em cima da bicicleta e foi para casa. Colocou as ferramentas na calçada e chamou os filhos e que daquele dia em diante ele era construtor de Obras e falou que daquele dia em diante iria dar para comprar as coisas para os seus filhos. E foi prometendo comprar o tratorzinho de um e conga para o outro. E dali foram almoçar. E quando eles estavam acabando o almoço, tocou uma buzina em frente da casa deles.

E as crianças correram para fora para ver quem era. E quando chegaram no portão um homem com uma voz rouca perguntou: "É aqui que mora o Sr. Miguel construtor?". E os filhos correram para dentro de casa e falaram: "Pai tem um homem lá fora procurando o Sr. Miguel construtor". E o nosso irmão Miguel saiu para recepcionar aquele homem. E aquele homem disse que se chamava Roberto e era advogado em SP. E disse que estava fazendo uma pesquisa porque tinha um terreno em Cananéia - litoral Sul - SP. E disse para o nosso irmão Miguel que estava procurando um bom pedreiro para construir o projeto de sua casa. E notem amados irmãos, que Deus levou esse homem lá, porque o nosso irmão Miguel jamais tinha construído alguma casa. E esse advogado disse que por onde ele passou procurando todos haviam informado que o melhor construtor de casas naquela região e de confiança era o nosso irmão Miguel. E vejam que o nosso irmão dormiu como servente de pedreiro e acordou construtor de casas. E o advogado chamou o nosso irmão Miguel para entrar dentro do carro e passou a mão no banco de trás e pegou um rolo de papel grande e pôs na mão do nosso irmão Miguel e pediu para o nosso irmão Miguel dar uma olhada no projeto da casa e quando ele abriu a planta do projeto da casa, era o mesmo da visão da casa que o anjo havia construído com o nosso irmão Miguel pela madrugada. Dali o nosso irmão Miguel fechou contrato com o advogado para construir a casa e o advogado falou amanhã eu quero a sua equipe lá para começar a construção. Mas o nosso irmão Miguel não tinha equipe nenhuma. E Deus preparou que ele foi indo na casa de alguns irmãos na cidade e foi contando a Obra da visão da Madrugada e os irmãos creram e Deus preparou a equipe para construir a casa do advogado em Cananéia. O irmão Miguel foi abençoado por Deus e terminou aquela casa e construíram mais tantas casas e escolas e o nome de Deus esta sendo glorificado.
(Ir. Marcos/São Paulo)

TESTEMUNHO IR. ELIZEU - CURA DO SEU FILHO.


Ontem dia 25/08/2011, participamos de uma BDD no Jd. Mimar - SP Capital. Aonde o Senhor deu a graça do nosso irmão Elizeu de Ilha Comprida atender. Um Cooperador de Ilha Comprida contou que o seu filhinho de +- 1 ano para 1 ano e meio por nome de Isaías não parava de chorar. E os irmãos levavam a criança ao médico e receitavam remédios e mandava embora. E um dia o nosso irmão Evandro de Ilha Comprida estando ele na casa do seu sogro, aquela criança não párava de chorar.

Ele deitou o Isaías no colo para brincar para ver se aquele menino parava de chorar e percebeu que o pequeno Isaías não tinha o céu da boca. O nosso irmão Evandro contou que era a coisa mais horrível de se ver, porque o menino não tinha o céu da boca. E o irmão Evandro desesperado com aquela situação pediu para esposa separar os documentos do menino porque ele iria levar para os facultativos da região no Pronto Socorro e temia que de lá encaminhariam para São Paulo - Capital. E o irmão Evandro foi se arrumar para levar o menino no Pronto Socorro da cidade, temendo que o menino já estava condenado por estar naquela situação. Mas o seu sogro disse espera um pouco, antes eu vou orar.

E o irmão Evandro falou para o seu sogro então ora rápido porque eu vou levar o menino para o Pronto Socorro. E enquanto o irmão Evandro se arrumava o seu sogro foi orar pelo menino. E quando o irmão Evandro pegou o menino no colo e estava saindo da casa do seu sogro. O irmão Evandro ouviu uma voz lhe visitar que dizia volta e olha dentro da boca da criança. E o irmão sentindo que era a voz de Deus, voltou para dentro da casa do seu sogro e deitou o Isaías no sofá e quando ele olhou para dentro da sua boquinha. Deus havia restaurado o céu da boca daquela criança e o nome de Deus esta sendo glorificado.
(Ir. Marcos/São Paulo)

terça-feira, 2 de agosto de 2011

OBRA PODEROSA COM A IR(a) MARCINHA - (IR. MARCOS) - SÓ GLÓRIA!



Aqui perto de nós tem um Cooperador de Jovens que conta uma Obra que Deus fez na região dele com a irmã Eva. Essa irmã é irmã do Cooperador do irmão Dao do Santa Helena de Póa. Ele conta que era +/- 20:00 hs da noite, os irmãos estavam na casa dessa irmã Eva contanto Obra e de repente uma irmã por nome de Marcinha aparentando +/- 50 anos começou a chorar copiosamente sem parar. E os irmão vendo que ela não parava de chorar os irmãos perguntaram para ela o por que dela estar chorando tanto. Ela respondeu para os irmãos que era terça-feira e na próxima sexta-feira ela iria para a mesa de cirurgia fazer hemodiálise porque um rim estava podre e outro já estava paralisado e que tanto é que pela aquela situação dava mal hálito na irmã Marcinha. E ela falava que o esposo dela estava muito triste e os filhos muito combatido com isto tudo que estava acontecendo.

E os irmãos sentiram a tristeza daquela irmã que sempre era muito alegre em falar da misericórdia do Senhor. E depois daquilo tudo os irmãos foram orar e buscar uma comunhão com Deus e na hora da oração a virtude e o poder de Deus começou a passear no meio dos irmãos e num dado momento o irmão Cooperador de jovens viu uma visão dos céus naquele movimento de Oração. E ele conta que viu uma aproximação de corpos celestes. E Deus dava a Oração para aquele Cooperador de jovens e quando ele via a visão ele parou a Oração e via o anjo de Deus descendo naquele lugar e se aproximando da nossa irmã Marcinha


E enquanto o anjo descia e se aproximava da nossa irmã. Aquele Cooperador de jovens começou à anunciar a visão para a irmã Marcinha. 


Irmã Marcinha eu tô vendo um anjo se aproximando da irmã e perguntou para a irmã se ela sentisse o toque daquele anjo que ele via na visão dos céus, se ela não iria ter medo ou iria correr. A irmã Marcinha respondeu para aquele Cooperador de jovens que não iria ter medo e que não iria correr. Então o nosso irmão Cooperador de jovens começou à anunciar a visão que ele via e pediu para os irmãos ficarem bem na comunhão e disse para à irmã Marcinha eu estou vendo um anjo descendo dos céus e anunciou para a irmã Marcinha. Primeiro a irmã vai escutar um barulho das asas do anjo que está descendo agora em cima deste telhado. E a irmã disse: Ai, Meu Deus eu estou escutando o que é isso irmão? E o irmão dizia dá glória à Deus que é o querubim do Senhor que acaba de descer nesta casa. E o irmão vendo a visão celestial prosseguia anunciando para a nossa irmã. Agora a irmã vai sentir um calor muito forte envolver o teu corpo enfermo. E o irmão perguntou para a irmã. Tá sentindo irmã?. E ela ai, Meu Deus eu estou sentindo. O que é isso aqui irmão?. E o irmão dizia: Irmã dá glória à Deus que o querubim está te abraçando agora. E o irmão anunciava. Agora a irmã vai sentir como se fosse uma cosquinha escorregando pelo teu esôfago e vai chegar nos teus órgãos enfermos. Tá sentindo irmã?. E a irmã gritou, aí Meu Deus eu estou sentindo irmão e a irmã Marcinha se assustou e quis correr da Oração. E o esposo da irmã Marcinha disse para as irmãs segurarem a irmã Marcinha porque se ela corresse dali ela iria perder a libertação.


E a irmã Marcinha disse: Irmão eu estou com medo o que é isso aqui irmão, o que é isso?. E o irmão respondeu: Irmã Marcinha dá glória à Deus que é o bisturi do anjo que está te cortando e de repente a irmã começou a sentir uma sensação estranha no seu organismo. E naquele instante a irmã Marcinha com a voz trêmula começou a gritar o que é isso irmão o que o anjo está fazendo comigo. E o irmão viu na visão o anjo tirar os rins estragados e colocar 2 rins novinhos. E o irmão que via a visão perguntou para a irmã quem é o teu médico e aonde a irmã está se tratando. E ela respondeu para o irmão. E então o irmão disse naquela Oração. Irmã Marcinha hoje é terça-feira. Volta lá amanhã no teu médico e pede para fazer novos exames porque o Senhor teu Deus já te libertou. E o irmão disse para à irmã Marcinha se os médicos se assustarem e perguntarem alguma coisa a irmã fala que Jesus Cristo te libertou. E na quarta-Feira a irmã foi ao médico e pediu novos exames e relatou para o médico que ela tinha certeza que tinha sofrido uma cirurgia celestial e que Jesus Cristo havia libertado ela. E o médico disse para a nossa irmã. Eu respeito a religião da senhora, mas aqui consta no raio-X que a senhora tem um rim podre e o outro tá parado, na sexta-Feira a senhora tem que ir para a mesa de cirurgia urgente. 
Mas de tanto a irmã insistir com aquele médico, ele mandou fazer os novos exames. E quando aquele médico pegou o novo raio-X. Ele pegou o óculos e começava a virar os óculos olhando os novos exames e ligou para 5 médicos e começou a conversar com os demais médicos e vieram conversar com a nossa irmã Marcinha e perguntaram para a nossa irmã o que foi mesmo que a Senhora disse que aconteceu?.


E ela disse Jesus Cristo me libertou. E um médico olhou para o outro e disse para a nossa irmã só pode ter sido ele mesmo porque a senhora recebeu a cirurgia mais perfeita que a ciência hoje não tem condições de fazer e nem marca ficou e quer saber mais a senhora recebeu 2 rins novos de adolescente e a senhora não tem mais nada.

Eu pergunto para os irmãos. Posso postar essas Obras aqui? Vocês creem que Deus faz isso mesmo e que obras maiores Ele opera em nosso meio? Porque nesses dias não se pode mais contar essas obras. Está proibido. Tem quem diz que é heresia. Tem quem fale que são obras fantasiosas. Tem quem duvide da autenticidade do poder do nosso Deus. 



MAS EU CREIO E CONTINUAREI LOUVADO MEU CRIADOR.


Deus vos abençõe!

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

OBRA COM O "IR. LEONARDO" - GLÓRIA A DEUS!


A fé é um dom interessante, parece que tem vida própria, tanto que as vezes parece até que prega peças em nós! Um dia, logo quando eu mudei para minha cidade eu estava desempregado e Deus mandou a obra da piedade na minha casa. Indescritível, irmãos, dizer a alegria, eu com filhos pequenos e ver do porta mala de um carro descer uma compra para garantir o pão na mesa para os meus filhos e ver que no meio da compra tinha até um pacote de balas para o meu filhinho picareta. Quando eu fui no portão me despedir dos irmãos e irmãs que levaram a compra, o irmão me falou assim Irmão, se Deus preparar vai com nós na construção do Prédio da nossa Regional. Eu tava tão arrebatado por ter sido suprido na hora da maior necessidade que falei assim para o irmão Sim, eu estarei lá com vocês no nome do Senhor Jesus! E entrei alegre para casa e minha esposa tava parada na porta com os braços cruzados e falou Você falou que vai na construção com os irmãos? e eu respondi sim, e ela disse E o seu problema de coluna?

Aí eu lembrei que não posso fazer o menor esforço, não posso pegar meus filhos no colo porque manifestou-se em mim um grave problema de coluna, já houve dia de eu não conseguir me levantar pela manha e me levarem todo torto para o ortopedista e darem banho de luz infra-vermelho na minha coluna para ver desinflamava antes de tentarem colocar a minha coluna no lugar. O meu tipo de problema é complicadíssimo por que expanou o encaixe da coluna no osso da bacia, e o médico me falou que para isso não tem prótese, nem cirurgia, nada, só cama e cadeira de rodas por que mais uma ou poucas vezes que minha coluna sair do lugar ela pode perder o encaixe completamente, inclusive sempre precisei fazer regimes pois quando aumenta o peso um pouco já começa a doer a coluna. Bom, apó cair a minha ficha para esse pequeno detalhe, eu falei, Bom, o pior é que do jeito que eu falei agora tenho que ir...

E fui (e as costas já estavam doendo) e chegando lá tive que ajudar como servente pois não sei assentar um tijolo (aliás, quem troca fusível queimado e resistência de chuveiro lá em casa é a minha mulher, neste sentido ela é o homem da casa, sou um pato, não sei fazer nada). Bom, os serventes sofrem numa obra, sempre ficam com a parte pesada: fazem tudo que deve ser feito por uma pessoa que não tem problemas de coluna, empurram carrinhos de areia, levantam latas de concreto, peneiram areia, aplainam terrenos com enxada, e eu tentava disfarçar para ninguém perceber o meu problema, até porque os irmão nem permitiriam que eu estivesse ali se soubessem, são zelosos e cuidadosos nesta parte, mas eu me preocupava com a maneira como falei, que ESTARIA ALI NO NOME DO SENHOR JESUS. E só sobrava o pior pra mim, e no pensamento eu falava ai,ai, mas continuava ali.

Enquanto enchia carrinhos de areia com uma pá, sem querer desabafei com um irmão e falei Nossa, minha coluna tá doendo muito, eu nem poderia estar aqui, tenho um problema gravíssimo de coluna, e aquele irmão parou de encher o outro carrinho e me falou E nem eu poderia estar aqui, meu irmão, eu também tenho um problema de coluna, mas eu to trabalhando aqui e Deus vai me libertar, e aí eu vou vir até terminar a construção, é um voto que eu tô fazendo! Quando eu ouvi o voto que o irmão fez com tanta firmeza eu falei AMÉM. Ora, eu falei amém pelo voto dele! Eu não votei nada! Só que quando eu falei amém eu senti como se alguém tocasse na minha coluna, senti como se fosse uma brasa de fogo sobre a inflamação, e aquele calor ficou intenso e foi suavizando numa fração de segundos, e eu parei assustado, com o corpo esticado, e não falei nada pra ninguém.

Fomos almoçar e me sentei em uma posição que geralmente me travava, e quando levantei estava normal. Peguei peso, me encurvei para pegar areia com a pá, pilotei uma peneira, e nada da coluna doer, não parecia tão frágil, parecia que tinha um cinto sustentando minha coluna. Fui embora no final do dia e durante aquela semana me sentia uma pessoa sem problemas! Sabem o que fiz? Na outra semana eu estava na construção outra vez e falei pra minha esposa que eu precisava ir até o final da construção por causa do voto que o irmão havia feito. Minha esposa disse Tá louco! O irmão que fez um voto e você que tem que pagar? Sobre ser louco eu não falei nada, sou mesmo, não dá pra questionar, mas o que eu respondi para ela lhe tirou todas as chances de contra-argumentar: Eu disse Ora, se eu soubesse que naquela hora eu fizesse um voto Deus ia me libertar eu não ia esperar aquele irmão, eu mesmo ia votar! Mas se eu não votei, aquele irmão fez um voto e eu falei Amém na fé que Deus ia libertar ele e no amém Deus me libertou, se eu peguei uma carona no voto dele e Deus me libertou eu tô no lucro, que prejuízo eu vou ter com isso? Ele que votou mas eu que recebi, então eu adotei o voto dele e fiz que o voto dele seja o meu, tudo mundo pede primeiro pra depois receber, mas se todos vão pela porta de entrada e eu entrei pela porta da saída, qual o problema? Eu tô no lucro, recebi primeiro e tô pagando depois!

E assim foi, trabalhei até o final daquela construção ou pelo menos até quando havia trabalho para serventes, já tá indo para cinco anos, só uma vez tive um susto, mas não era nada, o meu termômetro para saber que Deus me libertou é que estou cada vez mais maravilhosamente gordo e não sinto dores na coluna! Ah, sim, e tem um detalhe, isso eu não tentei entender e os irmão entendam, se for possível: aquele irmão que fez o voto não voltou mais na construção depois do dia em que fez aquele voto e tem problema na coluna até hoje. (?????) rsrs..........

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...