sexta-feira, 13 de agosto de 2010

SUOR TRANSFORMADO EM SANGUE? ALGO SOBRENATURAL? O QUE ACONTECEU COM JESUS CRISTO?


E, posto em agonia, orava mais intensamente. E o seu suor tornou-se em grandes gotas de sangue, que corriam até ao chão. ( Lucas 22:44 )

Muitos acham que o que ocorreu no monte das Oliveiras foi um fenômeno sobrenatural, o que na verdade ocorreu com Jesus qdo a bíblia declara que Seu suor transformou-se em sangue é algo que pode ser descrita pela medicina.

Assim, fica provada a humanidade de Jesus Cristo, o Deus que se fez carne para salvar todos os que Nele crerem.

O que realmente aconteceu foi que Jesus orando a noite inteira antevendo o sofrimento que haveria de passar levando sobre si o pecado da humanidade, sofreu um forte estresse psicológico, o que acabou desencadeando a HEMATIDROSE.

HEMATIDROSE: Não é comum acontecer isso, pois está ligada ao alto grau de estresse psicológico, acontece que a ansiedade extrema ocasiona a liberação de produtos químicos que rompem os vasos capilares das glândulas sudoríparas, em conseqüência disso o essas glândulas sangram um pouco e brotam com o suor, mas isso em uma quantidade pequena. Não confunda-se grandes gotas mencionado no versículo com bastante sangue.

Outro efeito da HEMATIDROSE é que ela deixa a pele muito frágil, com isso Cristo foi açoitado pelos romanos com a pele já bem frágil , bem sensível.

Como muitos sabem os açoites romanos são muitos conhecidos, pois eram formados de couro de animal com bolinhas de aço e pedaços de osso para maior tortura nos açoitamentos. Com os açoites as costas da vitima ficava cheia de hematomas, contusões profundas e cortes profundos causados pelos pedaços de ossos. As costas ficavam maltratadas e muitas das vezes a coluna ficava até exposta pelo flagelo.

O açoitamento era desde da nuca, nádegas até as coxas. ERA TERRÍVEL o sofrimento!!!!

O historiador Eusébio do séc. III descreveu um açoitamento da seguinte da forma: A medida que açoitamentos continuavam, na costa das vitimas, as lacerações iam atingindo os músculos inferiores que seguram os esqueletos e as tiras de carne ficavam penduradas toda ensangüentadas, as veias do sofredor ficavam abertas e os tendões, músculos e órgãos ficavam expostos. MUITOS MORRIAM NO LOCAL, devido as dores terríveis entravam em choque hipovolêmico.

CHOQUE HIPOVOLÊMICO: Hipo significa “baixo”, vol significa “volume” e êmico significa “sangue”, então choque hipovolêmico signifca que a pessoa está sofrendo o efeito de perder grandes quantidades de sangue.

Isso ocasiona 4 coisas:
1º) O coração esforça-se para bombear mais sangue, mas não tem de onde;
2º) A pressão sanguinea cai, causando desmaio ou colapso;
3º) Os rins param de produzir urina, para conservar o volume de sangue que sobrou;
4º) A pessoa fica com muita sede, pois o corpo pede por liquido para repor o sangue que perdeu.


Com toda essa descrição, Jesus estava em choque hipovolêmico qdo caiu com a cruz no caminho do Gólgota, e os soldados obrigaram Simão o Cirineu a carregar a cruz até o lugar chamado caveira e neste lugar qdo já crucificado, pediu água

"E quando o iam levando, tomaram um certo Simão, cireneu, que vinha do campo, e puseram-lhe a cruz às costas, para que a levasse após Jesus." (Lucas 23 : 26)
"Depois, sabendo Jesus que já todas as coisas estavam terminadas, para que a Escritura se cumprisse, disse: Tenho sede." (João 19 : 28)


Umas das maiores autoridades em estudo histórico, arqueológico e médico concernentes a morte de Jesus de Nazaré, o Dr. Alexander Metherell, M.D., Ph.D., médico e cientista, um dos mais conceituado estudioso sobre a crucificação, declara exatamente isso que ocorrera com Jesus de Nazaré.

DEPOIS POSTAREI SOBRE COMO ERA FEITA A CRUCIFICAÇÃO E O PQ DE QUEBRAR AS PERNAS DAS VÍTIMAS! Se Deus me der vida e saúde. Amém!


Deus abençoe a todos!

3 comentários:

  1. Sabe mim dizer se existe caso registrado de hematidrose fora o de Jesus Cristo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Giceli, deve-se levar em conta que tal enfermidade é raríssima de acontecer, mas teve um caso na Republica Dominicana com uma garota de 19 ou 20 anos de idade por nome de Delfina, mais ou menos no ano 2012 ou 2013, inclusive a principio o populacho achava que tal garota era santa, até os cientistas mostrar que era hematidrose.
      Também em uma busca na vasta literatura médica revelou que um número significativo de casos de hematidrose foram gerados por extremada reação de ansiedade motivada pelo medo. A associação com o medo pode ser sentida de forma contundente em um estudo de J. H. Pooley em 1884, com base em casos fundamentados. O estudo de Pooley incluía seis casos, entre os quais o de um prisioneiro condenado que exibia essa condição enquanto estava sendo levado para execução na guilhotina ou ao patíbulo para enforcamento; o caso de uma mulher que foi vítima de tentativa de estupro e o caso de um marinheiro que manifestou a condição durante violenta tormenta em alto mar. Nesta última situação, o aterrorizado marinheiro começou a suar sangue profusamente e não conseguia falar durante a tormenta; mas, quando a tempestade passou, o suor de sangue parou e sua voz voltou ao normal. Em 1918, o Dr. C. T. Scott descreveu um caso raro de uma menina de 11 anos que vivia resguardada pelos pais, já que manifestava intenso pavor de ataques aéreos. A criança passou a ter surtos freqüentes de hematidrose, que começavam na fronte, uma semana depois de haver ficado extremamente assustada com uma explosão de gás na casa ao lado,
      enquanto ela ainda estava na cama. Exames de sua transpiração feitos no microscópio revelaram a existência de glóbulos vermelhos e brancos. Em 1967, os doutores R. G. Gadzhiev e A. M. Listengarten estudaram um caso de hematidrose numa jovem que começara a suar sangue aos 19 anos. Isso acontecia quando a paciente ficava nervosa, excitada, preocupada e assustada.
      Casos de hematidrose foram relatados nos Estados Unidos por Mitchell, em
      1880; na literatura francesa, por Broeg, em 1907, e por Darier, em 1930; na
      literatura russa, por Lavsky, em 1932, e por Gadzhiev e Listengarten, em 1962; na literatura alemã, por Ledalius, em 1683, Tittel, em 1876 e Riecke, em 1923; na literatura inglesa, em 1861, por Chambers, e em 1918, por Scott. O caso de Lavsky foi associado com mudanças psicológicas e comportamentais.
      Espero ter ajudado. Deus te abençoe.

      Excluir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...